Seja Bem Vindo

Este Blog foi criado com o objetivo de possibilitar uma maior interação entre minhas atividades e àqueles que por elas se interessarem.
Espero que gostem.
Antecipo meus agradecimentos e não esqueça de deixar seu comentário.
Sugestões pelo e-mail.
Obrigado pela visita.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Professores de matemática poderão se inscrever para especialização em Bragança

Estão abertas até o dia 27 de outubro, as inscrições para o curso de Especialização no Ensino de Matemática para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), cujo público alvo, são os professores licenciados em matemática e que atuem no ensino fundamental ou no EJA em escolas da rede pública.O curso será ministrado no município de Bragança, no nordeste do Estado e terá a duração de 12 meses, com início previsto para o dia 12 de novembro de 2011 e término no dia 17 de novembro de 2012. Quem almeja uma vaga deve fazer sua inscrição no Campus Universitário de Bragança- Faculdade de Matemática (FAMAT), na avenida Leandro Ribeiro, S/N, no bairro da Aldeia. O curso é gratuito, com aulas aos finais de semana, sempre em período integral, através da modalidade presencial modular.A carga horária total do curso é de 435 horas, divididas entre teoria (405h) e prática (30h). Para se inscrever, o docente deverá preencher a ficha de inscrição e apresentar xerox e original dos seguintes documentos: RG e CPF; Diploma ou comprovante de conclusão do curso superior de Licenciatura Plena em Matemática; Histórico Escolar; Curriculum Vitae, devidamente comprovado, com autenticação em cartório ou apresentação dos originais e uma foto 3x4.



Maiores informações podem ser obtidas através do telefone:
(91) 3425-1593 Ramal: 249.


Fonte: Ascom/Seduc http://www.seduc.pa.gov.br/portal/index.php?action=Noticia.show&idnoticia=1259&idareainteresse=1

Um comentário:

  1. Categoria faz ato público nesta sexta [04], na frente do Fórum da Capital.

    Trabalhadores da rede estadual de educação, em greve desde o dia 26 de setembro, vão ao Fórum da Capital, esperar uma resposta da Justiça, visto que o Governo do Estado, não aceitou nenhuma das propostas apresentadas pelo magistrado Elder Lisboa, que acatando pedido do Governo Jatene julgou a greve abusiva, sentenciando antes mesmo de ouvir a outra parte interessada, a categoria.

    A expectativa da categoria em receber um parecer favorável da justiça, talvez desmitifique o que foi publicado em um jornal de grande circulação em Belém, que antevia a sentença do juiz. Por isto, a presença de toda a categoria será um fator importantíssimo para que consigamos continuar no nosso movimento reivindicando melhores condições de trabalho e valorização profissional.

    Na última audiência de conciliação os interlocutores do governo não avançaram nas proposições que resolvesse o impasse, pois mesmo apresentado os estudos técnicos o governo não apresentou os dele para se contrapor aos argumentos apresentados pelo sindicato e não avançou nas propostas.

    A categoria iniciou a greve cobrando a implantação do PCCR imediato da categoria e o pagamento do Piso Salarial definido por lei federal, além de outras reivindicações visando a valorizando os trabalhadores em educação, assim, como a reforma imediata das escolas. Essas reivindicações são de cunho administrativo, se o Governo Jatene administrasse o Estado do Pará com base na legislação, hoje dificilmente teríamos uma greve destas proporções na rede estadual de ensino, enfatiza Antonio Netto, Coordenador de Comunicação do sindicato.

    Assim, os trabalhadores em greve, só aceitam sair do movimento caso seja cumprida a Lei do Piso Salarial e a implementação do PCCR na integra, sem prejuízos aos trabalhadores que estão sendo prejudicados com a nova forma de realizar os cálculos salariais.

    A Coordenação Estadual do Sintepp, independente da resposta da Justiça do Estado, convoca todos (as) trabalhadores (as) para participarem da assembleia do dia 07 de novembro, no Centro Social de Nazaré, às 09 horas para decidir os rumos do movimento.

    Avançar sempre, recuar jamais! Nenhum direito a menos!

    Fonte: SINTEPP

    ResponderExcluir