Seja Bem Vindo

Este Blog foi criado com o objetivo de possibilitar uma maior interação entre minhas atividades e àqueles que por elas se interessarem.
Espero que gostem.
Antecipo meus agradecimentos e não esqueça de deixar seu comentário.
Sugestões pelo e-mail.
Obrigado pela visita.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Publicar atividades na web deixa aula mais estimulante

Yannik D´elboux

Imagine como deve ser para um aluno ter seu trabalho feito em sala de aula também disponível na internet para o mundo inteiro ver e ler. A possibilidade de exposição eleva a atividade a um outro patamar de importância. Mas como fazer isso sem ser um especialista em web? A evolução das tecnologias para publicação de conteúdos na internet e leitura pela tela do computador torna a tarefa mais simples do que parece. Existem diversas ferramentas gratuitas para esta finalidade e que podem ser muito mais exploradas pelos professores, fazendo com que os trabalhos dos alunos passem também para o mundo digital. A utilização dos aplicativos não requer muito conhecimento técnico, apenas um pouco de dedicação e tempo para se acostumar com os novos recursos do que também é conhecido como “papel virtual”. Uma das principais vantagens do uso dessas tecnologias nas atividades escolares, na opinião dos docentes entrevistados nesta matéria, é estimular a participação do aluno. Sabendo que o trabalho vai ficar disponível na internet, os estudantes ficam mais motivados e tendem a caprichar mais nos textos e nas pesquisas. Outro benefício é poder compartilhar o resultado de um projeto na escola com os pais e muitas vezes parentes que moram em outras cidades. Os sites www.issuu.com (em inglês) e www.paper4web.com (em português) oferecem as ferramentas mais populares para publicação on-line de diferentes documentos eletrônicos a partir de textos e imagens: livros, revistas, jornais e o que a criatividade do professor mandar. Estas ferramentas colocam o arquivo enviado pelo usuário em formato de leitura digital, ou seja, com o mouse e o teclado do computador é possível “folhear” o documento como se fosse um livro. Os aplicativos também têm recursos de zoom para aumentar o tamanho da página e facilitar a leitura. É importante entender que as ferramentas não fazem a diagramação do conteúdo, servem apenas para armazená-lo e colocá-lo no formato de leitura. O documento será exibido da mesma maneira que foi criado, com exceção de alguns fundos e cores que podem ser acrescentados no Issuu. Se o professor ou aluno quiser produzir um livro ilustrado terá que utilizar outros programas para inserir imagens antes de enviar o arquivo. Para aqueles que dispõem de poucos recursos, criar o documento no Power Point (Microsoft Office) é uma das soluções mais simples. Tanto o Issuu como o Paper4Web disponibilizam um link do documento, ou seja, o endereço eletrônico que os leitores vão usar para encontrá-lo na internet, oferecem a possibilidade de postagem em blogs e sites para facilitar o acesso e incluem o trabalho em suas listas, que entram no sistema de buscas do Google, a não ser que o usuário opte por deixar o arquivo como privado. Nossas Curiosidades A professora Joanirse Ortiz, que dá aulas de Física e Matemática no ensino médio noturno do Instituto Estadual Rui Barbosa, de São Luiz Gonzaga (RS), teve a ideia de usar o “papel virtual” para ilustrar um trabalho dos alunos do 1º ao 3º ano sobre perguntas curiosas que a Física pode responder. O documento foi publicado na rede em julho do ano passado e já teve mais de 500 visualizações. Joanirse conta que os estudantes gostaram muito da experiência e se empenharam pesquisando mais do que geralmente fazem, consultando mais de uma fonte. “Eles cuidam do texto porque sabem que não é apenas a professora que vai olhar.” A educadora também postou o trabalho em seu blog (www.falandoemfisica.blogspot.com) e sugeriu a ideia para a colega virtual de pós-graduação, a professora Maria Elinara Diniz Vieira, da E.M.E.F. Rosalina Diniz de Souza, de Coronel Bicaco (RS), que colocou o projeto em prática com alunos da 6ª série. Contos e poemas O professor português Adão Sousa usa a ferramenta desde 2007 para dar vida aos contos e poemas dos alunos de 5º e 6º ano, com idade entre 10 e 12 anos, em uma escola na cidade de Penafiel, distrito do Porto em Portugal. Ele já publicou mais de 75 documentos dos estudantes. “A utilização deste serviço web 2.0 tem, sem dúvida, um grande potencial, na medida em que, de uma forma muito fácil, os alunos e professores veem os seus escritos ganharem mais vida por meio de um simulacro de livro com características interativas e divulgados na rede mundial com um clique apenas”, destaca o educador que é um entusiasta do uso de tecnologias digitais. Sousa coordena uma equipe de professores que desenvolve um projeto de criação de conteúdos educativos digitais e de utilização de computadores portáteis em sala de aula (www.penafielsul.com/navegar). Segundo ele, esta iniciativa também recebe muitas visitas de educadores brasileiros. Apostilas de revisão Para facilitar a vida dos alunos, o professor Dionisio Sá utiliza a tecnologia para publicar on-line apostilas com diferentes conteúdos de Matemática, principalmente revisões antes das provas. O objetivo do educador é deixar o material disponível para o aluno. Ele também divulga as apostilas em seu blogwww.matematicafina.com. “Quando não coloco o conteúdo, os alunos cobram, eles ficam habituados”, comenta o docente que dá aulas nos colégios Moderno e Santo Antônio, da rede privada, e nas escolas estaduais de ensino médio e fundamental Tiradentes e Dr. Freitas, de Belém (PA). Jornal da escola O jornal do colégio Piaget, de São Paulo (SP), começou com um projeto em sala de aula para alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, mas a publicação cresceu tanto que hoje é o principal veículo de divulgação do que acontece na escola e há três anos passou a ser também virtual. O Jornal Planeta Piaget, segundo a coordenadora pedagógica Silvana Franco, é um espaço aberto para a participação dos alunos, pais, professores e da diretoria do colégio. “Vejo um crescimento, uma evolução na escrita dos alunos”, ressalta a coordenadora sobre os benefícios do projeto. Reportagem divulgada na Profissão Mestre de maio de 2010. 


Yannik D´Elboux é repórter das revistas Profissão Mestre e Gestão Educacional. E-mail: yannik@humanaeditorial.com.br

Um comentário: